literar-1q84-03

A dor é inevitável. O sofrimento é opcional.

 

Avaliação: 4,5 de 5.

Talvez tenha spoilers

O que me conquistou no primeiro livro da trilogia de Murakami:

 

1 – As referências a 1984 de George Orwell, Alice no País das Maravilhas, Charlie Dickens, entre outros.

2 – A riqueza e disposição dos detalhes pertinentes às cenas narradas, de uma forma não monótona e de uma ótica que não vejo na escrita ocidental. A história vai sendo exposta de uma maneira muito calma.

3 – A história ser dividida entre dois personagens que, aparentemente, não possuem nada em comum (Tengo e Aomame). Só que no decorrer do primeiro livro, você vai sendo envolvido na história de forma que algumas coisas começam a se ligar. E de uma forma muito boa, mesmo você não sabendo direito como é que isso vai se desenrolar.

4 – Tengo ser um escritor. A narrativa descrevendo inspirações, referências e formas adotadas de escrita me fascinam. Um livro que conta, entre outras coisas a história de um livro sendo escrito.

5 –  A explicação do 1Q84.

6 –  Como o primeiro livro constrói a base da história. Ele vai contando aos poucos, nos envolvendo de forma que vamos descobrindo junto com os personagens os fatos que vão se revelando para clarear os novos acontecimentos na vida. E sem uma conclusão espetacular para depois chegarmos ao segundo livro.

7 – Como me fez ouvir a Sinfonietta de Janacek inteira enquanto lia, totalmente absorta o trecho que relembra essa música e nos traz ao primeiro insight que a liga a história de Aomame timidamente com a de Tengo.

 

 

Anúncios